Dinalva Lima presta esclarecimentos à população de Tabira sobre processo administrativo

A dirigente sindical Dinalva Lima prestou esclarecimentos à população de Tabira na noite desta segunda-feira (25) sobre o processo administrativo aberto pela gestão do prefeito Sebastião Dias que pode resultar em sua demissão do cargo de professora conquistado a mais de três décadas através de Concurso Público.

Dinalva participou da Sessão Ordinária da Câmara de Vereadores e apresentou documentos que comprovam que as substituições alegadas pela gestão para abrir o processo ocorreram com conhecimento e autorização da Secretaria de Educação. A professora revelou que a gestão levou em consideração no cálculo do total das suas substituições o período em que esteve amparada por licenças médicas, licença prêmio, licença Nojo e licença pelo casamento, que são permitidas pela legislação local e constitucional.

Em relação ao inquérito, a dirigente esclareceu que tudo se desenvolveu depois que ganhou na Justiça o direito de exercer o mandato classista em setembro de 2018. “Mesmo com o reconhecimento em sede de sentença, a gestão não acatou a ordem judicial e só em 18 de fevereiro deste ano, após ser estipulada uma nova multa de até R$ 50 mil em caso de descumprimento, o secretário de Administração decidiu elaborar a portaria me liberando”, explicou.

Dinalva disse estranhar o fato do secretário de Administração ter instaurado o inquérito pouco depois de ser obrigado a proceder com sua cedência. A professora também afirmou ser estranho que o relatório da Escola Municipal Cícero Correia com as substituições tenha sido confeccionado e entregue ao secretário de Administração um dia após a solicitação.

A dirigente contestou a afirmação da gestão de que os substitutos eram pessoas estranhas no ambiente escolar e apresentou provas que os educadores são os mesmos escalados pela Secretaria de Educação para outras substituições. “Meus alunos não tiveram prejuízo algum. Minhas turmas sempre tiveram desempenho superior aos índices do município e do estado”, destacou.

Dinalva ainda afirmou que jamais ocasionou prejuízo financeiro para o município e que todas as despesas com as substituições foram pagas pelo Sinduprom.

Deixe uma resposta