Agentes da PRF admitem uso de gás lacrimogêneo e spray de pimenta em abordagem a Genivaldo de Jesus

Em boletim de ocorrência, os agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Sergipe, que participaram da abordagem truculenta que resultou na morte de um homem com problemas mentais, admitiram o uso de gás lacrimogêneo e spray de pimenta no momento de detenção da vítima.

Ainda no boletim de ocorrência, acessado pelo portal G1, os agentes afirmam que Genivaldo morreu “possivelmente devido a um mal súbito”. De acordo com o Instituto Médico Legal (IML) de Sergipe, Genivaldo morreu por asfixia mecânica e insuficiência respiratória aguda.

A Polícia Rodoviária Federal confirmou ter aberto investigação e já afastado os policiais envolvidos, embora não revele os nomes deles. Em nota, a Polícia Federal informou que diligências do caso já foram iniciadas, destacando que “trabalha para esclarecer o ocorrido o mais breve possível”.

Genivaldo de Jesus dos Santos, 38 anos, morreu, segundo laudo do IML, por asfixia, após ser colocado no porta-malas de uma viatura da PRF e submetido a disparos de gás lacrimogênio e spray de pimenta. Nas imagens gravadas por quem passava no local, é possível perceber Genivaldo gritando desesperadamente antes de morrer.

NE10 Interior



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.