“Chama Violeta” leva arte às comunidades rurais do Pajeú

Nos dias 30, 31 de outubro e 1º de novembro, o alto Sertão do Pajeú receberá a 4ª edição do Chama Violeta, festival de artes integradas que agrega ações do projeto permanente “No meu terreiro tem arte”. A iniciativa independente da artista e produtora Odília Nunes, realizada com o apoio do Sesc Triunfo, vai contemplar as comunidades rurais de Picos, em Iguaracy, Minadouro e Sitio Manoel Pereira, em Ingazeira.

Durante os três dias, haverá oficina de balé clássico para crianças e espetáculos de teatro de animação, teatro e circo, música, poesia e cultura popular. Este ano, participam da programação artistas de Ingazeira, Triunfo, Recife, Olinda, Arcoverde, Garanhuns, Minas Gerais, São Paulo e da Venezuela.

Por causa da pandemia, a programação é exclusiva para as comunidades e todas as medidas serão adotadas para a prevenção da Covid-19. Além do Sesc, também apoia a iniciativa, a Fazenda Quilariá da Barra.

De acordo com a idealizadora e realizadora do projeto, o “Chama Violeta” é um festival cultural similar a outros realizados em grandes centros urbanos, mas com uma programação que se propõe a dialogar com o público do campo. “Acredito no poder social e educativo da arte. Com ela nos comunicamos, interpretamos o mundo, nos unimos, nos conhecemos e podemos ser mais solidários, criativos e equilibrados”, afirma Odília Nunes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.