MPPE atua para o retorno às aulas presenciais nos municípios que estão apenas em aulas remotas

Na última segunda (14), o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), por meio do procurador-geral de Justiça, Paulo Augusto de Freitas Oliveira, e do coordenador do CAO da Educação, Sérgio Souto, reuniu-se com a Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) e com a Secretaria de Educação de Pernambuco (Seduc) para discutir planejamento sobre o retorno às aulas presenciais nos municípios que estão apenas em aulas remotas.

Em reunião online com as instituições, o PGJ garantiu a atuação do MPPE de forma colaborativa. “Vamos somar esforços para que as aulas presenciais estejam garantidas em todos os municípios pernambucanos, a fim de evitar não apenas a evasão escolar, mas também a queda no desenvolvimento e aprendizado dos nossos alunos. Vamos identificar os municípios que estão apresentando essa dificuldade e construir uma agenda com os promotores da cidade para que, em conjunto, possamos solucionar os problemas apresentados. Esse é o espírito colaborativo do MPPE”, afirmou Paulo Augusto.

Na ocasião, o promotor de Justiça e coordenador do CAO da Educação, Sérgio Souto, alertou a importância da iniciativa. “Os índices caíram bastante e são alarmantes, apresentando resultados dramáticos que a longo prazo irão gerar o aumento da desigualdade social. Por isso, precisamos resolver a lacuna no aprendizado dos nossos estudantes com urgência. Dessa forma, vamos discutir o assunto com as prefeituras de forma individual, tendo como pré-condição o retorno presencial nas salas de aula”, ponderou o coordenador.

O presidente da Amupe, José Patriota, afirmou também estar convencido de que é preciso voltar ao presencial, após um levantamento de 27 municípios que apresentam mais restrições aos estudantes, exigindo, por exemplo, a vacinação. “Queremos as prefeituras motivadas ao incentivo da adesão das vacinas, mas não podemos tê-la como forma de exigência, dificultando o acesso à escola”, esclareceu o presidente.

Presente também no encontro, o secretário da Secretaria da Educação, Marcelo Barros, reafirmou a relevância das aulas presenciais. “A escola é um lugar seguro, desde que sejam seguidos os protocolos de segurança. Apoiamos a vacinação, inclusive utilizando o local como ponto de vacinação. Não vamos impedir o estudante de entrar na escola, independente da vacina. Mas estamos incentivando bastante. Assim, decidimos, em Pernambuco, voltar no dia 03 de fevereiro”, disse o secretário.

Em tempo, marcaram presença também na reunião, Maria Gorette Aquino, Shirley Samico e Natanael Silva. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.