Sudene investe em projeto para melhorar qualidade da produção na bacia leiteira de Pernambuco e Paraíba

O Governo Federal, por meio da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), vai investir R$ 350 mil para a instalação de uma central de qualidade de leite e produtos lácteos em Campina Grande (PB). O projeto é uma parceira estabelecida entre a autarquia e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), unidade algodão. Os recursos foram liberados pela Sudene no último dia 31. O prazo para entrega das instalações é de 12 meses. A iniciativa deve beneficiar produtores de 25 municípios da Paraíba e Pernambuco.

Um dos principais objetivos da implementação do centro é prestar consultoria técnica aos produtores locais, através de análises e monitoramento da qualidade do leite e derivados. Os estudos vão considerar aspectos físico-químicos e microbiológicos dos produtos, além do grau de adequação às regulamentações vigentes. A partir dos resultados, será oferecido apoio técnico aos agricultores para incorporarem novas práticas que permitam aperfeiçoar as produções locais.

A área de abrangência do centro é a bacia leiteira existente entre os estados da Paraíba e Pernambuco. O território se divide em dois arranjos produtivos locais, sendo um composto pelas microrregiões dos Cariris ocidental e oriental paraibanos e o outro pelo Pajeú, Sertão do Moxotó e vales do Ipojuca e Ipanema pernambucanos (confira a lista no final do texto). Segundo a Embrapa, esses APLs produzem respondem por cerca de 60% do leite produzido no Nordeste por iniciativas governamentais socioprodutivas.

Espera-se que a central de qualidade também se torne um empreendimento referência tanto na formação de mão de obra especializada – através do apoio a estudantes de iniciação cientifica – como em pesquisas direcionadas ao leite e derivados lácteos caprinos, identificando características próprias dos produtos típicos da localidade.

Para o superintendente da Sudene, general Araújo Lima, a iniciativa fortalece a estratégia da Sudene de estar mais próxima dos pequenos produtores e contribuir para a melhoria dos produtos típicos das cadeias produtivas da região. “É um projeto que está alinhado com os objetivos da autarquia, na medida em que encaramos o Nordeste com um dos maiores produtores de alimentos do mundo. E nesse contexto, há a necessidade do aprimoramento de técnicas, procedimentos e a melhoria permanente da qualidade. O centro que vai prestar consultora técnica aos produtores locais permitirá que o nosso produto chegue no mercado com uma melhor qualidade, melhor preço e, consequentemente uma melhor avaliação para as mercadorias do Nordeste”, avaliou o gestor.

Em Pernambuco, serão beneficiados com a iniciativa Afogados da Ingazeira, Iguaracy, Ingazeira, Itapetim, São José do Egito, Tuparetama, Arcoverde, Sertânia, Alagoinha, Pesqueira, Poção, Buíque, Pedra e Venturosa. Já na Paraíba, integram o projeto Camalau, Coxixola, Monteiro, Ouro Velho, Pariri, São José dos Cordeiros, São Sebastião do Umbuzeiro, Serra Branca, Sumé, Zabelê e Barra de São Miguel.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.